top of page
  • andremaselli

Euro e dólar: por que expor sua carteira a essas moedas?

Euro e dólar: por que expor sua carteira a essas moedas?

A diversificação é uma aliada para investidores que buscam proteger seu patrimônio e fazê-lo crescer de forma sustentável. Além de diluir riscos, a estratégia permite explorar oportunidades em diferentes setores e regiões geográficas, por exemplo.


Nesse contexto, expor parte da carteira a moedas como o euro e o dólar pode trazer benefícios significativos. Ao investir nelas, é possível mitigar impactos de flutuações cambiais e acessar mercados desenvolvidos, com maior estabilidade e diversas opções de investimento.


Quer entender melhor como o euro e o dólar podem contribuir para um portfólio diversificado e resiliente? Continue no post e descubra!


Proteção contra flutuações cambiais


A volatilidade do câmbio é uma realidade que impacta diretamente os investimentos, em especial em economias emergentes — como o Brasil. Diante desse cenário, expor parte da carteira ao euro e ao dólar surge como uma estratégia de proteção, conhecida como hedge cambial.


Ao diversificar em ativos atrelados a essas moedas, o investidor cria um nível de proteção contra desvalorizações bruscas do real. Isso ocorre porque, quando a moeda local perde valor, os investimentos em euro e dólar tendem a se valorizar, compensando as perdas.


O mecanismo funciona como um contrapeso, equilibrando a carteira e reduzindo a vulnerabilidade do patrimônio às oscilações do mercado. Ademais, ao investir em economias mais estáveis, também há proteção contra a instabilidade política e econômica do país de origem.


Mitigação de riscos


Investir em diferentes moedas, como euro e dólar, funciona como uma estratégia eficaz de mitigação de outros tipos de riscos além do cambial. Afinal, concentrar todo o patrimônio em um único país pode deixar o investidor vulnerável a eventos localizados, como visto.


Ao diversificar internacionalmente, é possível diluir os riscos associados a questões políticas, econômicas e sociais específicas de uma nação. Dessa forma, mesmo que o cenário interno enfrente turbulências, há chance de outros mercados ajudarem a equilibrar a carteira e reduzir perdas potenciais.


Imagine um cenário em que o Brasil enfrenta desafios econômicos significativos. Nesse caso, ter parte dos recursos alocados em ativos atrelados ao euro e ao dólar poderia proporcionar uma camada extra de segurança, amenizando os impactos negativos sobre o patrimônio total.


Acesso a mercados internacionais


Além de mitigar riscos, investir em euro e dólar abre as portas para um universo de oportunidades em mercados no exterior. Tenha em mente que não é preciso limitar as possibilidades de diversificação ao Brasil, sendo possível explorar o potencial de economias desenvolvidas.


Ao alocar recursos em ativos atrelados a essas moedas, o investidor tem acesso a um leque muito mais amplo de opções. Há como investir em títulos do Governo americano, ações de empresas globais e commodities negociadas em dólar, por exemplo — ampliando as alternativas de investimento.


A exposição internacional permite capturar o crescimento de setores e empresas líderes mundiais, com modelos de negócios sólidos e presença global consolidada. Assim, ao investir além das fronteiras, o investidor tem a chance de participar da geração de valor desses mercados.


Como você viu, expor parte da carteira ao euro e ao dólar é uma estratégia para quem busca diversificação, proteção e acesso a oportunidades globais. Explorar esses benefícios ajuda a construir um patrimônio resiliente e preparado para enfrentar os desafios do mercado financeiro.



Interessado em aprofundar seus conhecimentos no assunto? Então assista ao Jobin Talks sobre investimentos internacionais!

4 visualizações0 comentário

ความคิดเห็น


bottom of page